Carta para S. Tiago… via Santo António!

Talvez na impossibilidade de a fazer chegar ao destino ou sabe-se lá porquê, esta carta para S. Tiago, veio parar a Santo António dos Olivais. Santo António, certamente, se encarregou de a entregar ao destinatário original.

Querido Santiago:

Quantas vezes sonhei poder caminhar, dormir debaixo das estrelas ou nas mesmas camas onde milhares de doentes tiveram sonhos cheios de esperança para si, para os familiares e amigos, sonhos que se sobrepunham a outros sonhos, e percorrer de novo os trilhos da esperança (esperança de reencontrar-se a si próprio), de encontros, de amizades nascidas ao longo do caminho, atravessar os planaltos solarengos que bem conheço, pois vivi na península ibérica, e foram dias de felicidade, antes, anos: por isso agradeço-te muito. Talvez, quiçá, volte a fazê-lo!

Entretanto, faço-te chegar as minhas angústias que, ao escrevê-las no papel, já se vão serenando, graças à confiança no Criador e naqueles que se tornaram mestres em criar espaços e lugares de santidade.

Já sabes o que neste momento me angustia; mesmo assim, peço-te para que a Dalila esteja bem, bem como os queridos Chaim, David e todos os netos. Mas é, sobretudo, a Dalila que precisa, porque é a mais frágil, e tu bem sabes.

Não acredito nas barreiras religiosas; acho que as grandes figuras humanas deixaram e deixam lugares de santidade, onde as suas obras transmitem a força e a confiança na Transcendência e na verdadeira Vida.

Envio-te esta carta por meio de duas queridas senhoras a quem estou afeiçoada e que reconheço como exemplo de retidão e nobreza de sentimentos.

Com toda a confiança,

Júlia