Que fizeste do teu irmão?

Que o fenómeno da pobreza, ou de seres humanos em situação de privação extrema por falta de recursos, representa uma realidade cuja existência temos consciência, não é algo de novo: por vezes, o excesso de palavras ou de imagens de pessoas pobres (que não recebem direitos de imagem!) que povoam os nossos meios de comunicação, retiram o aguilhão do seu caráter absurdo.

Neste sentido, este livro póstumo de Alfredo Bruto da Costa representa um respiro, não de alívio, mas de um trabalho sério e profundo. Com uma vida marcada pelo compromisso social e pelo estudo dos fatores que originam as situações de pobreza, o autor apresenta um ensaio que constitui um verdadeiro testamento pessoal e um elucidar profético sobre um fenómeno que nos rodeia. A inspiração bíblica, evangélica e do magistério da Igreja acompanha este estudo a par de uma análise bem fundamentada dos dados económicos e sociais sobre a pobreza, quer no contexto português, quer a nível global. A leitura a um nível macrossocial é acompanhada de pistas e propostas concretas nas quais cada pessoa – e, particularmente, cada cristão – pode colaborar para restituir à comunidade humana a justiça e a solidariedade capazes de erradicar a pobreza.

Se tivermos presente que a pobreza não existe por acaso, não é inevitável, nem obra de determinismos e fatalismos invencíveis, nem o custo necessário para que alguns paguem pelo progresso dos outros, se tivermos a convicção fundamentada de que as causas da pobreza estão fundamentalmente no modo como a sociedade e a economia estão organizadas e funcionam – então daremos conta de que a intervenção do cristão terá necessariamente uma dimensão política.

Autor: Alfredo Bruto da Costa
Edição: Cáritas
Páginas: 180

%d blogueiros gostam disto: