Projetos Missionários Franciscanos na Ucrânia, um país onde há guerra

Província Italiana Santo António de Pádua
Frades Menores Conventuais

Na quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022, nas primeiras horas da manhã, tropas russas invadiram a Ucrânia.  Há dias que soldados russos entram no país a partir do sul (da República Autónoma da Crimeia anexada em 2014), do leste (da Federação Russa e do Donbass anexado em 2014) e do norte (da República da Bielorrússia).

Além dos combates pelas cidades do leste, norte e sul, pontos estratégicos de todas as cidades ucranianas estão a ser atacados. Todos os dias morrem pessoas e o país está a cair em ruína diante dos olhos de todos. Nas entradas de cada cidade há polícias, exércitos e equipas de defesa territorial civil. Houve uma mobilização geral dos homens entre os 18 e os 60 anos. Armas são dadas a todas as pessoas dispostas a lutar.  Nas cidades, o transporte elétrico ainda funciona, ou seja, comboios, elétricos e trolleys.

Os autocarros urbanos e os autocarros de longa distância não circulam por falta de combustível, que é reservado aos serviços médicos, à polícia e ao exército.  Várias centenas de milhares de pessoas fugiram das suas casas e da guerra. Milhares de mães com os seus bebés estão acampadas em estações ferroviárias e em passagens fronteiriças para a Europa.

A Custódia franciscana da Ucrânia tem cinco conventos.  Dois estão localizados a leste do rio Dnieper: Kremenchuk e Boryspil.  Três estão a oeste: Lviv, Bilshivtsi e Mackivci. Nenhum dos cinco conventos dos frades está atualmente na  zona de combate direto. Nos conventos da parte ocidental do país, os frades dão as boas-vindas aos que fogem da guerra. No leste, ajudam os sem-abrigo e os que precisam de comida, higiene e cuidados médicos.

Em Kremenchuk os frades visitam os paroquianos com o ministério sacramental e no convento servem refeições a quem ficou sem casa.  Pois que o convento é um edifício novo, os frades prepararam  uma sala como abrigo antiaéreo,  cobrindo as  paredes com sacos de areia.

O Convento de Mackivci está localizado em uma aldeia longe da estrada principal e, portanto, é um lugar potencialmente mais seguro. Atualmente, nas instalações do convento, vivem algumas famílias de refugiados de Kiev. Dado que o convento é um edifício novo, os frades prepararam uma sala para um abrigo antiaéreo cobrindo as paredes com sacos de areia e lajes de cimento.  Muitas famílias da paróquia, temendo a guerra, partem para a Polónia e para a Roménia.

No convento de Boryspil, juntamente com os paroquianos, estão a preparar comida para os combatentes.

O Convento de Bilshivtsi está localizado numa aldeia no sopé dos Cárpatos.  Há um convento onde os frades idosos vivem  agora  (antes da guerra deixaram  os conventos de Kremenchuk e Boryspil) com algumas famílias  de refugiados  de Kiev.

Lviv é a capital do oeste da Ucrânia. Há um convento no centro da cidade. Já no primeiro dia da guerra, muitos dos paroquianos – temendo por si e pelos seus filhos – partiram para a Polónia. Os frades e fiéis estão envolvidos na coordenação, no transporte de  pessoas para a fronteira nacional e na ajuda humanitária.

Além dos frades presentes na Ucrânia, está a ser criada  uma rede de solidariedade entre as Províncias vizinhas. Em particular, Frei Marian GOŁAB, Presidente da FEMO (Foederatio Europae Mediae et Orientalis), informou que os frades da Federação, especialmente os da Polónia (um dos Conventos mais próximos da fronteira, Kalwaria Pacławska, já está assistindo os necessitados); na Roménia (um dos Conventos próximos da fronteira com a Ucrânia está localizado em Cacica); na Hungria e na Eslováquia estão a preparar os Conventos para o acolhimento de refugiados.

Também em Coimbra, o Convento de Santo António dos Olivais e a Paróquia de Santo António dos Olivais recolheram muitos donativos em dinheiro, roupa, alimentos e medicamentos. Grande parte foi entregue à comunidade ucraniana na Capela de Santo António na Portela de Coimbra. Daí prosseguiu para o território ucraniano. Outra parte está a servir de retaguarda para o acolhimento.

Bandeira da Ucrânia: O azul do Céu e o amarelo das searas.
Bandeira da Ucrânia: O azul do Céu e o amarelo das searas.

Acolhimento aos refugiados

O grande desafio, agora, é o acolhimento em casas particulares e instituições. O Convento e a Paróquia de Santo António dos Olivais, em Coimbra, tornaram-se parceiros da União das Freguesias de Coimbra que entretanto criou uma plataforma onde é possível inscrever-se colocando a disponibilidade em acolher e acompanhar os refugiados que já estão a chegar.

PARA A ZONA DE COIMBRA PREENCHA O FORMULÁRIO EM:
https://ufcoimbra.pt/coimbra-ucrania/

PARA O RESTO DO PAÍS PODERÁ PREENCHER O FORMULÁRIO da JRS Portugal:
https://bit.ly/3vpREbn

Donativos por Transferência Bancária

Fazer transferência para a Conta Solidária da Paróquia de Santo António dos Olivais, indicando expressamente SOS UCRANIA:
IBAN: PT50 0018 000318634709020 67.
Para obter um recibo do seu donativo deverá enviar comprovativo e NIF para cartorio.olivais@gmail.com.
Para Informações contactar:
Mensageiro de Santo António: 239 097 984
Paróquia de Santo António dos Olivais: 239 711 992

Foto da capa: Ucranianos passam pela fronteira de Siret, norte da Roménia, 08 de março de 2022. Desde que a Rússia iniciou a invasão militar na Ucrânia, em 24 de fevereiro, estimam-se já mais de dois milhões de refugiados. EPA/ROBERT GHEMENT.

Mais notícias fidedignas sobre a guerra na Ucrânia…

%d blogueiros gostam disto: