Peço notícias de Deus

De mãos trémulas
Mãos que procuram mãos
Peço notícias de Deus

Chegou o tempo
De colher como o trigo nos campos
O enigma
Da hora matinal da existência

Chegou o tempo
De encher os quatro cantos da alma
Da palavra entreaberta na bruma
Onde caiba a carne violada da distância

Chegou o tempo
De saber onde é o céu
Não o desabitado
Furado pelas naves espaciais

Em que o desespero se fez silêncio
Em que a alegria desaguou nas enseadas do alheamento
Em que não se ouvem acordes
Nem sequer de um ciciar medroso de lábios

Mas o outro
De que somos caminho
Passagem
Verdade em viagem

De mãos trémulas
Mãos que procuram mãos
Peço notícias de Deus

Ou das nuvens que O algemam
Entre soluços de sombras

Manuel Sérgio

Foto da Capa: Peregrino muçulmano na montanha al-Noor, durante a peregrinação anual do Hajj a Meca, Arábia Saudita, 15 de agosto de 2018. Foto EPA/Sedat Suna.

%d blogueiros gostam disto: