Bons sonhos

Frei Antonio Ramina – Messaggero di Sant’Antonio

O jaspe é uma pedra de cor verde e diz-se que afugenta os sonhos extravagantes.
É símbolo da pobreza,
que conserva o homem
no vigor da fé
e afugenta os sonhos das riquezas, que iludem o homem.

Santo António, XIV domingo depois do Pentecostes, 4

O jaspe − afirma Santo António − assemelha-se a uma flecha. O que nos atinge nesta comparação não é o seu rigor científico. Na verdade, atribuir “poderes” às pedras, não está em sintonia com a nossa sensibilidade, pois estamos habituados a dar credibilidade apenas ao que é “cientificamente” demonstrável.

Permaneçamos, no entanto, ancorados no objetivo de fundo de António, que não hesita em valorizar a sabedoria do seu tempo para nos oferecer palavras sábias com sabor evangélico.

Para além das duvidosas características “mágicas” associadas ao jaspe verde, o Santo raciocina da seguinte forma: uma fé vigorosa precisa da pobreza e para ser pobre é necessário aprender a afastar os sonhos extravagantes. Por outras palavras: enquanto houver sonhos extravagantes, a fé está em perigo.

Quais são tais sonhos? A cobiça das riquezas, cujo fruto é efémero. Ter fé não é algo de abstrato; significa criar laços com alguém ou com alguma coisa a quem damos valor. Por conseguinte, será necessário ligar-se a algo que mereça confiança e seja duradoiro. Porém, sabemos bem que nenhuma riqueza material pode durar para sempre.

Uma coisa é certa: num determinado momento, a vida acaba e as riquezas acumuladas ficam para trás. Eis, então, a intuição de Santo António: a ansiedade de nos protegermos e de encontrar estabilidade nas coisas acumuladas é uma estratégia tola, é uma ilusão, um sonho extravagante! Sabemos que um sonho desaparece rapidamente e, muitas vezes, é até difícil recordá-lo. Temos, inclusive, a impressão de que no sonho se misturam de uma forma incoerente “peças” de todos os géneros, difíceis de decifrar.

O mesmo acontece com as riquezas! Se o nosso coração e o nosso cuidado se concentrarem apenas nelas, seremos como sonhadores extravagantes, embora, paradoxalmente, possamos parecer pessoas pragmáticas. Na realidade, se queremos ser pragmáticos, será melhor não nos deixarmos enredar na cobiça de acumular coisas sobre coisas, títulos honoríficos sobre títulos honoríficos, prestígio e mais prestígio. Sigamos − antes − por outro caminho! O caminho que nos liga não às coisas, mas às pessoas, cultivando o amor e a amizade. Isto sim, dura para sempre!

E com Deus é a mesma coisa: ter fé significa desejá-lo e tê-lo como amigo! Se existe um espaço humano, que nos cativa e dá alegria, esse é o bom sabor de uma bela amizade, não a extravagância vazia de coisas que nos podem seduzir, mas que nos deixam o coração frio e duro, como uma pedra dura!

Foto da capa: Muro, com 9 metros de altura, que separa Israel da Cisjordânia, visto do lado ocidental da cidade de Belém. Foto 2022 EPA/ATEF SAFADI.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: