Dentro de um verão quente

Pego na caneta para escrever a 15 de agosto de 2021: um dia de merecidas férias para muitos humanos, à beira mar ou numa casa de campo no interior, numa cidade ou num santuário mariano para celebrar a festividade da Assunção.

Cruzeiro, em Finisterra, com vista sobre a praia da Langosteira. Foto MSA 2021.
Cruzeiro, em Finisterra, com vista sobre a praia da Langosteira. Foto MSA 2021.

Mas o cenário do mundo é de fogo. Com a tomada de Kabul, todo o Afeganistão está novamente nas mãos do Talibãs. Enquanto o mundo ocidental treme, foge, envergonhado pelo seu falhanço.

Haiti é prostrada perante um terramoto que provocou mais de 1300 vítimas. E o Papa reza e apela à ajuda internacional para esta terra novamente martirizada.

O aquecimento global aperta o sul da Europa com temperaturas de 40 a 48 graus e ameaça o futuro de 600 milhões de pessoas, quase 10% da população mundial, que vivem em áreas costeiras que sofrerão com a subida do nível do mar.

Clima, conflitos, desastres naturais (terremotos, incêndios e inundações) e muitas outras situações de pobreza e instabilidade, irão engrossar o grande rio dos refugiados que fogem e procuram uma terra melhor para habitar.

Será que a terra melhor é sempre a nossa – a do mundo ocidental, rico, satisfeito, sossegado e, muitas vezes, egoísta, que procura manter distantes os problemas?

Mas não é a Terra a nossa casa comum, uma casa que grita e sofre terrivelmente?

E dentro desta casa comum, habitam seres humanos que são filhos e irmãos, mesmo se de religiões diferentes. Até quando as armas serão a única solução? Continuaremos a apontar o dedo, denunciando o obscurantismo e as cruzadas do passado, mas repetindo os mesmos erros no presente?

Felizmente, cada geração em cada época, soube produzir génios da ciência e da espiritualidade para traçar novos caminhos, novas intuições, novos estilos de vida para a humanidade.

Setembro é o mês em que retomamos a vida social, escolar, laboral, pastoral. Saibamos unir esforços para cuidar do ambiente e dos irmãos, dentro de um “nós” que nos transcende. Então o famoso “Louvado sejas, meu Senhor, por todas as criaturas” que saiu da alma de São Francisco, não será uma abstrata e ingénua poesia, de um santo da Idade Média, mas um programa de vida, que pode transformar o nosso presente e dar novo alento ao futuro.

Valorizamos a opinião dos nossos leitores...

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: