fbpx

Um desejo furioso de sacrifício

O primeiro mérito do último filme de André Téchiné O Adeus à Noite – que começa com a profusão e beleza de um imenso cerejal em flor rapidamente ensombrado por um eclipse – é o de nos obrigar a (re)pensar – a não deixar esquecer, apesar de aparentemente estar mais adormecido – o complicado problema que é a sedução exercida pelo jihadismo sobre muitos jovens, franceses, nomeadamente.

O próprio Téchiné, referindo-se ao filme, fala dessa atração “como um desejo furioso de sacrifício”, acrescentando: “E eu achei este desejo escaldante, terrível, suscetível de despertar interesse em qualquer um de nós”. “Quando Alex e Lila tomam este novo rosto monstruoso, procuram um novo enraizamento, há como que um chamamento, uma conversão maléfica num país desconhecido…”, disse ainda o realizador (in A Revista do Expresso, de 01 de Agosto).

Creio que esta é uma boa porta para entrar e ler este filme: o que é que a nossa sociedade ocidental não está a ser capaz de oferecer aos jovens que os leva a sentir a vida como um enfado, um imenso tédio e os obriga a procurar – ingénua e erradamente – esse desejo furioso de sacrifício? O que é que a família e a escola não estão a ser capazes de fazer para educar os jovens de maneira a que eles se comprometam com grandes causas que possam mobilizá-los? Ou então: o que é que verdadeiramente seduz os jovens nessa sua atração pela radicalização religiosa e por aqueles mecanismos de purificação por nós deitados fora juntamente com a água do banho? Qual é a razão da incapacidade da Igreja e das comunidades paroquiais para seduzir os jovens? Terão os movimentos eclesiais esta capacidade? E a que preço?

São algumas das perguntas suscitadas por este filme de André Téchiné, um cineasta que gosta de pensar devagar os problemas da sociedade, sobretudo aqueles que afetam os jovens.
Escrito a partir do livro de David Thomson, Les français jihadistes (que recolhe entrevistas de jovens que passaram por aquela experiência), o filme acompanha Alex e Lila nos seus preparativos da viagem que os levará à Síria para se juntarem ao ‘estado islâmico’ e cumprirem o sonho de dar a vida como fazem os heróis. No entanto, a personagem que marca o filme do início ao fim é a avó de Alex, Muriel, incrivelmente interpretada por Catherine Deneuve. É ela que se apercebe que algo de estranho e de secreto se está a passar com o neto, e não vai descansar até descobrir a verdade. É ela que carrega em si todas as perguntas, toda a incapacidade para compreender, todas as ambiguidades, todos os sentimentos de culpa, todo o desespero.

L’adieu à la Nuit | O Adeus à Noite, de André Téchiné, Drama, M/12, FRA/ALE, 2019.
L’adieu à la Nuit | O Adeus à Noite, de André Téchiné, Drama, M/12, FRA/ALE, 2019.

Nesse longo percurso que acontece sobretudo na quinta de Muriel, onde para além das cerejeiras há uma escola de equitação, vamos reparando no modo como a doutrinação daqueles jovens é feita. Afinal, não se trata de uma verdadeira conversão: eles não vão à mesquita, é quase tudo pela internet, num controlo permanente por parte dos doutrinadores, afinal muito pouco coerentes. Por causa do desenraizamento, também não se deve deixar de notar como Alex e Lila, de modos diferentes, não têm pais; e como a relação com os ‘avós’ não responde a essa falta. Ainda assim, é a avó que salva o neto ao denunciá-lo. É este o verdadeiro sacrifício.

E por isso, talvez haja esperança.

Valorizamos a opinião dos nossos leitores...

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: