Poesia, Amazónia e (in)diferença

Lá fora falava-se de ambiente, cá dentro falava-se de eleições. São temas que nos tocam? Onde está a nossa mente, o nosso ser, o nosso coração? Talvez, todos nós selecionamos as notícias que nos interessam, os problemas que nos tocam mais, os gostos que nos dão prazer. O resto fica à margem.

Porém, não será que os acontecimentos que estão “à margem”, na periferia dos nossos interesses, são, precisamente, aqueles que fazem a diferença e clamam contra a nossa indiferença?

Olhemos para aquilo que se passa dentro da Igreja.

“Tu és poesia!” − disse o Papa Francisco a D. José Tolentino surpreendido com a sua nomeação a cardeal da Igreja. O que poderá estar por detrás desta frase e deste comportamento do pontífice? “A beleza salvará o mundo”, disse o escritor russo Dostoevskij no seu romance, O idiota. É a beleza da arte, a beleza do amor, a beleza da santidade.

Não será este o sentido da escolha dos 13 novos cardeais por parte do Papa Francisco?

Continuar a renovar a Igreja e a prepará-la para enfrentar os grandes temas do nosso tempo; cuidar da terra e dos homens, sobretudo dos mais pobres; construir uma fraternidade que sabe dialogar e procurar a paz; anunciar ao mundo, como Cristo, a misericórdia e a ternura de Deus, contra uma mentalidade mundana e uma cultura da indiferença e do descarte.

A maioria dos media frisou que o Papa Francisco com este consistório ganhou a “maioria absoluta” de “bergoglianos” para o próximo Conclave. Com certeza, ao Santo Padre não interessa uma “maioria eleitoral” para um “Francisco II”, interessa-lhe o homem, o mundo, a casa comum, a alegria do Evangelho, a família, os jovens, os pobres.

Povos indígenas pertencentes a várias etnias protestam na cidade de Brasília, Brasil. Os indígenas pedem o reconhecimento de seus territórios tradicionais, que sofrem ataques intensos de empreiteiros, movidos pela cobiça por turismo e da especulação imobiliária. 16 de outubro de 2019. EPA / Joedson Alves.
Povos indígenas pertencentes a várias etnias protestam na cidade de Brasília, Brasil. Os indígenas pedem o reconhecimento de seus territórios tradicionais, que sofrem ataques intensos de empreiteiros, movidos pela cobiça por turismo e da especulação imobiliária. 16 de outubro de 2019. EPA / Joedson Alves.

O Sínodo sobre a Amazónia, pediu respeito pelos povos indígenas, pondo de lado o sarcasmo típico do nosso mundo ocidental:

Ontem fiquei triste quando ouvi um comentário, um pouco divertido, sobre um senhor que levou um dom ao altar e tinha plumas na cabeça. Mas qual é a diferença entre usar plumas na cabeça e o “tricórnio” que usam alguns oficiais dos nossos Dicastérios?

Papa Francisco

Vejam bem: o Papa não procura consenso eleitoral. Enquanto por cá, era essa a grande preocupação.

Taxa de abstenção nas eleições par a Assembleia da República. Fonte SGMAI / PORDATA.
Taxa de abstenção nas eleições par a Assembleia da República. Fonte SGMAI / PORDATA.

No entanto, infelizmente, pouco refletimos sobre a abstenção nas legislativas que atingiu 51,4% da população portuguesa.

Como alguém disse: “Uma esmagadora percentagem de cidadãos preferiram vestir o hábito dos indiferentes, afastar-se e passar ao lado”.

Contra a indiferença, é preciso fazer a diferença, confiando na poesia, na dança e nas plumas dos povos indígenas que nos ensinam um novo estilo de vida, o “do bom viver”.

Valorizamos a opinião dos nossos leitores...

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: