Santo António de Pádua ou de Lisboa?

Capa do livro "O Nascimento de Frade Menor 'António' em 1220, nos Olivais em Coimbra", Francisco Andrade.
Capa do livro de Francisco Andrade.

Santo António é de Pádua ou de Lisboa? “É de Coimbra e a culpa é de São Francisco”, assim o afirma Francisco de Andrade, que ontem apresentou o livro de sua autoria O Nascimento de Frade Menor ‘António’ em 1220, nos Olivais de Coimbra, no pequeno auditório da Igreja – convento de Santo António dos Olivais de Coimbra.

Trata-se de uma edição de autor, fruto da paixão e devoção de Francisco de Andrade pelo Santo, que Pádua divulgou por todo o mundo, mas que nasceu como frade franciscano, em Coimbra, no eremitério de Santo Antão dos Olivais, em 1220.

Francisco Andrade apresenta o seu livro "O Nascimento de Frade Menor 'António' em 1220, nos Olivais em Coimbra.
Francisco Andrade apresenta o seu livro

De facto, quem nasceu em Lisboa foi Fernando Martins de Bulhões, que mais tarde viria a entrar no Mosteiro de Santa Cruz, dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, ao qual deve a sua formação bíblica e cultural. De facto Santa Cruz, era, na altura, um pólo cultural de excelência a nível europeu, notabilizando-se não só pela sua vasta biblioteca e pelo seu ativo scriptorium, mas tua também pela sua riqueza e poder.

No entanto, Santo António não existiria, hoje, se não se tivesse dado o facto de poucos anos antes, em Assis, se ter iniciado a revolução franciscana, um movimento reformador de tal forma vigoroso, que passados menos de 10 anos, já 5 frades se encontravam em Coimbra, a pedir esmola, às portas do mosteiro de Santa Cruz. A forma de viver destes frades impressionou Fernando e muito mais quando, tendo viajado para Marrocos para pregar o Evangelho onde foram martirizados, voltaram ao mosteiro de Santa Cruz, já não para pedir esmola, mas para oferecerem a jóia do seu martírio e permanecerem, até hoje, como sinal profético do anúncio do Reino de Deus, “sem bolsa, nem alforge, nem sandálias”.

Foi assim que Fernando se mudou de Santa Cruz para o eremitério dos Olivais, em Coimbra, onde toma o hábito franciscano… e assim nasce Santo António.

Não tivesse existido São Francisco, com os seus frades enviados pelo mundo, e Fernando seria talvez um ilustre clérigo, citado pelos estudiosos de Coimbra, mas nunca teria chegado a ser o Santo mais conhecido e mais amado de todo o mundo. Esta é, em resumo, a tese do livro de Francisco de Andrade. Não pretende ser um livro histórico, nem seguir uma metodologia científica, é antes um grito de um devoto que não se conforma que Santo António seja apenas de Lisboa ou de Pádua.

  • Livro "O Nascimento de Frade Menor 'António' em 1220, nos Olivais em Coimbra", Francisco Andrade.
  • Apresentação do livro "O Nascimento de Frade Menor 'António' em 1220, nos Olivais em Coimbra", Francisco Andrade.
  • Francisco Andrade apresenta o seu livro "O Nascimento de Frade Menor 'António' em 1220, nos Olivais em Coimbra".
  • Francisco Andrade apresenta o seu livro "O Nascimento de Frade Menor 'António' em 1220, nos Olivais em Coimbra".
  • Francisco Andrade autografando o seu livro "O Nascimento de Frade Menor 'António' em 1220, nos Olivais em Coimbra".

Valorizamos a opinião dos nossos leitores...

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: