fbpx

O Senhor ia-me mostrando o caminho

Frei Filipe é um jovem frade (34 anos), siciliano, estudante de teologia em Assis. A sua história é feita de explosões e desejos, mas também de muito sofrimento e fadiga. Estou certo que vos ajudará a não duvidar da presença do Senhor e da força que cada um pode encontrar n’Ele.

Chamo-me Filippo Scarcella. Aos três anos e meio perdi a minha mãe. O meu coração ficou ferido, mas Ele não me abandonou e colocou ao meu lado uma figura materna e, hoje, vêm-me à mente as palavras do Senhor: “Tu és precioso aos meus olhos, porque és digno de estima e te amo”.

Aos 25 anos perdi o meu pai. Três anos depois, o meu tio, que assumira o papel de pai, abandona-me definitivamente. A minha vida, teve muitos altos e baixos. Conheci demasiado cedo a realidade do sofrimento e o que significa crescer sem os pais. O Senhor ia-me moldando, servindo-se de pessoas e situações quer negativas, quer positivas.

Um dia uma pessoa conhecida convidou-me para uma peregrinação a Catanzaro para ouvir a experiência da senhora Maria Marino. Deus estava a trabalhar, mas eu não compreendia, os medos começaram a inundar-me o coração. Sentia-me perturbado. Tentei entrar no seminário, mas não foi fácil. Começaram a surgir dentro de mim toda uma serie de questões e de porquês que ainda não tinham uma resposta. Decidi deixar o caminho de procura vocacional e afastar-me destes pensamentos.

Continuei a viver prosseguindo com o meu estilo de vida, mesmo se dentro de mim se acendia um fogo que ardia manifestando a alegria de me consagrar ao Senhor. O tempo passava. Parecia que tudo ia desaparecendo interiormente. Já não percebia a presença de Deus e já não sentia o chamamento que sentia antes. Comecei a pensar que talvez nunca tivesse havido um chamamento.

Frei Filippo Scarcela
Frei Filippo Scarcela

Em 2009, comecei a frequentar a igreja de São João Baptista e, enquanto me encontrava à porta da igreja, vi Jesus exposto sobre o altar, pronto a acolher-me. Pensei nas palavras de São João Paulo II: “é Jesus que procurais quando sonhais a felicidade”. Decidi começar a frequentar a paróquia e o grupo Carismático, onde conheci uma rapariga com quem comecei a namorar.

Entretanto acabei o namoro e decidi fazer uma experiência vocacional com os Frades Menores Conventuais e o Movimento Juvenil Franciscano. O Senhor ia-me mostrando o caminho e o lugar onde poderia seguir Jesus. Não como eu queria e onde eu queria, mas como Ele decidiu para mim.

Hoje, estou feliz de pertencer à família dos Franciscanos Conventuais.

Frei Filipe

%d blogueiros gostam disto: