Eu, um muçulmano, vaticanista por um dia

Em Marrocos com o Papa: “uma experiência inesquecível” (de Brahim Maarad, editor da AGI), 2019/04/02

A chuva é uma bênção no Islão. Tanto é assim que as invocações pronunciadas durante as chuvas são mais prováveis de serem atendidas por Alá. Em Marrocosnunca chove o suficiente. No entanto, o Papa Francisco chegou, no sábado, aRabat debaixo de um dilúvio. O primeiro do ano e quem sabe quando chegará osegundo. Foi um dos muitos sinais de um dia abençoado. Um momento de encontro -como disse Francisco – “entre irmãos e irmãs”.

O meu emocionante encontro com o Papa aconteceu a bordo do avião. Com a agencia AGI tive o privilégio de acompanhá-lo – juntamente com cerca de setenta colegas de todo o mundo – nesta viagem apostólica de “Servo da Esperança”. Fi-lo como jornalista, mas também como testemunha daquela ponte de convivência tão desejada e procurada pelo Papa.

Nascido em Marrocos e criado na Itália, sou um muçulmano que vive num país predominantemente católico e trabalho a dois passos do Vaticano. Durante trinta horas foi-me confiado o encargo e a honra de ser “o vaticanista”. E o papa, depois de ouvir a minha história, voltou-se para mim com a mais humilde expressão, tão querida para ele: “Reza por mim”. Orar por alguém é a maior forma de generosidade, também e acima de tudo, quando o outro pertence a uma confissão diferente. Não pude deixar de pedir-lhe que fizesse o mesmo por mim.

O marroquino sempre foi um povo acolhedor, uma terra que é uma ponte natural entre a África e a Europa. E ele mostrou isso no sábado, reservando para o grande convidado o calor que ele merece: o próprio Rei Mohammed VI, soberano do país e “Comandante dos fiéis”, espera por ele junto à escada do avião. Uma presença que queria sublinhar o significado histórico da visita. O último papa a pisar no solo do país foi Woytila, em 1985. Oitocentos anos antes, com as mesmas intenções de conhecimento mútuo, São Francisco de Assis e
o sultão al-Malik al-Kamil encontraram-se. Demonstração profética – disse Francisco – de que “a coragem do encontro e da mão estendida é um caminho de paz e harmonia para a humanidade, onde o extremismo e o ódio são fatores de divisão e destruição”.

O desejo de estender a mão trouxe para a rua milhares de marroquinos que queriam ser testemunhas diretas desse abraço dos valores da humanidade. Ao longo da estrada percorrida pelo papa e pelo rei, os cidadãos invocaram uma longa vida para os dois. E acrescento eternidade à sua mensagem de esperança. A composição diversa da sociedade marroquina estava representada naquela multidão: ricos e pobres, migrantes africanos e turistas cristãos. Naquele dia todos eles eram apenas irmãos e irmãs, seguindo o exemplo oferecido pelo papa e pelo soberano.

No voo de volta Francisco – sempre otimista – admitiu que “ainda haverá tantas dificuldades, porque em toda religião existe um grupo fundamentalista que não quer avançar”. No entanto, durante a viagem a Marrocos – depois daquela ao Dubai – a esperança foi semeada e ” deu flores promissoras que mais tarde se tornarão frutos”.

Foram dois dias muito intensos: o Papa quis ver como está viva a pequena comunidade de cristãos presentes no país. Há 30 mil numa população de 36 milhões. “O problema não é ser pequeno, mas insignificante”, disse Francisco quando se encontrou com o clero na catedral de Rabat. E ele recomendou – aos cristãos, mas também aos muçulmanos – que “o proselitismo leva a um caminho cego. A Igreja cresce por atração, por testemunho e não por proselitismo “.

O melhor testemunho permanece para mim a missa celebrada pelo papa no complexo desportivo do Príncipe Moulay Abdellah. Mais de 10 mil fiéis de 60 países participaram. Entre eles também muitos muçulmanos. Mas a mensagem mais importante foi a do lado de fora, fora do enquadramento das cameras em direto: centenas de agentes para proteger a missa cristã, num dos principais países muçulmanos do mundo.

Eu gosto de pensar que essa proteção – duas semanas após o massacre nas mesquitas da Nova Zelândia – pode ser dedicada a todo cristão que queira orar em um país de muçulmanos. E para todo muçulmano que queira orar numa terra onde seja minoria. Para que, citando novamente o Papa, possa “crescer na cultura da misericórdia, na qual ninguém olha para o outro com indiferença, nem desvia o olhar quando vê o seu sofrimento”, deixando de lado “o ódio e a vingança que servem apenas para matar a alma “.


Brahim Maarad para o blog Straordinario quotidiano, em Agi.it . Traduzido com a devida vénia.

Valorizamos a opinião dos nossos leitores...

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Mensageiro de Santo António
%d bloggers like this: