Milagre do coração do avarento

O ano de 1895 foi marcado em Portugal pelas grandiosas comemorações do 7º Centenário do nascimento de Santo António. Toda a sociedade portuguesa se mobilizou para assinalar esta data através da organização de eventos e cerimónias religiosas e culturais.

De entre estas cerimónias, foi promovida uma grande procissão em Lisboa, que pretendia retomar uma tradição secular interrompida com a extinção das ordens religiosas em 1834.

Para isso foram encomendados dez pendões numa oficina de Antuérpia, na Bélgica, para engalanar a procissão. Com pintura de Jos Ratinckx (1860-1937) e bordados de D. Vansina, representam os milagres mais populares atribuídos a Santo António, como, por exemplo, o sermão aos peixes, o milagre do pé cortado, a aparição do Menino Jesus ou o milagre de salvar o pai da forca. Destacamos aqui um dos milagres representados nesses pendões que estão no Museu de Lisboa – Santo António, eventualmente menos conhecido na atualidade, mas na época muito difundido por toda a Europa e que terá decorrido em Florença, Itália.

Santo António tinha chegado à cidade quando um dos homens mais ricos da região acabara de morrer. A família do defunto, tendo conhecimento da chegada de frei António, pede-lhe para que faça a sua pregação nas exéquias. Santo António dedica o sermão ao tema “onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mt. 6, 21). Numa crítica à avareza e à usura declara que, como o defunto amava mais o seu dinheiro do que a Deus, o seu coração já não se encontrava no seu peito, mas junto do seu ouro. De início os presentes entenderam estas palavras como uma parábola, mas outros, conhecendo a vida que levara o falecido, foram a sua casa e abriram a arca onde este guardava o dinheiro, descobrindo, para horror e estupefação de todos, o coração do morto, ainda palpitante, a sangrar entre as moedas de ouro tão afanosamente acumuladas.


Foto: Óleo e têmpera sobre tela. Seda, fibra sintética e fio metálico. Jos Ratinckx (pintura); D. Vansina (bordado), 1895. Local de Produção: Antuérpia. MA.PIN.0011. Museu de Lisboa – Santo António.

%d bloggers like this: