A diferença cristã

A grande novidade do cristianismo foi expressa de uma forma lúcida, por um autor desconhecido, na Carta a Diogneto:

os cristãos são de carne, mas não vivem segundo a carne; passam a sua vida na terra, mas são cidadãos do céu; obedecem às leis estabelecidas, mas a sua maneira de viver é mais perfeita do que as leis.

A atual situação política e social que vivemos está caracterizada por um agudizar-se de tensões que projetam povos e pessoas a descarregar sobre os outros os próprios problemas, vendo-os como inimigos, e a fechar-se em si mesmos tentando “defender” os próprios interesses. Há, até, quem defenda abertamente a necessidade da guerra como meio para melhor ordenar e organizar mundo!

Quando apareceram os cristãos, numa sociedade bastante parecida com a nossa, eles foram profundamente interpeladores. Escreve ainda a Carta a Diogneto:

Amam todos os homens e todos os perseguem, desprezam, condenam e matam, mas, assim, eles ganham a vida; são pobres e enriquecem a muitos; nada possuem, mas superabundam em todas as coisas; desprezam-nos, mas neste desprezo encontrar a sua glória.

Os cristãos surgiram no mundo como “sal e fermento”, isto é, transformando, a partir de dentro, a sociedade humana, propondo um modelo de vida baseado sobre o respeito mútuo, sobre a justiça e a solidariedade, sobre a simplicidade e a temperança, sobre o amor e a paz.

A nossa sociedade, cujo deus é o dinheiro, cuja lei é, muitas vezes, a do mais forte e cujo objetivo é o próprio interesse, precisa ser acordada e alertada.

A este propósito, o Papa Francisco aparece como um verdadeiro profeta que não teme denunciar as situações de injustiça e de degradação que afetam multidões de pessoas, os mais pobres, os que têm fome e sede, os que estão nus, doentes, estrangeiros ou presos, os que vivem à margem da sociedade ou são por ela descartados.

É preciso – diz o Papa – que

cada um, no respeito da própria função, contribua para que sejam respeitados os direitos fundamentais de cada pessoa humana.

A nossa revista propõe, ao longo deste ano, algumas novidades, entre as quais uma viagem virtual pelo mundo, recordando os 500 anos da primeira viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães e de Sebastião Elcano.

Essa foi uma grande aventura, na qual os portugueses tiveram um papel de relevo, que impulsionou a primeira globalização, revolucionou a história da humanidade e que, de certo modo, está ainda por cumprir.


Foto: Jovem com cartaz “Papa, telefona-me”. Jornada Mundial da Juventude, Panamá, 24 de janeiro de 2019. EPA / ESTEBAN BIBA.

2 comentários em “A diferença cristã”

  1. Parabéns pelo conteúdo. Gostaria de divulgar meus assuntos preferidos, mas não possuo re cursos para tanto. Assim, como posso obter cópia do artigo A BELEZA DA ETERNIDADE?

    • Bem haja pelo interesse nos artigos do Mensageiro de Santo António.
      Para divulgar qualquer dos nossos artigos, basta divulgar o link que aparece na barra de endereços.

Comentários fechados.

Voltar ao topo